• Instituto Periférico

FIT-BH encerra com grande festa no Ponto de Encontro

Atualizado: 14 de Out de 2018

O sábado, 22 de setembro, foi o último dia do CENABELOHORIZONTE, que ao longo do FIT-BH buscou potencializar a circulação nacional e internacional da produção cênica de Belo Horizonte

através de ações para a aproximação entre programadores e criadores. Ontem, neste espaço de interlocução entre artistas e agentes culturais diversos, ocorreu mais uma rodada de negócios e a mesa “Eventos de Negócios de Artes Cênicas”, com Alexandre Vargas (RS), Cynthia Margareth (SP) e Maria Marighella (BA). Representando a Rede Brasileira de Festivais de Teatro, os programadores convidados apresentaram e discustiram os principais eventos de negócios destinados às artes cênicas no Brasil. A mesa foi mediada por Marcelo Bones, Diretor de Articulação da Secretaria Municipal de Cultura.

Na Sala de Leitura do Museu Memorial Minas Gerais Vale, a escocesa Jo Clifford ministrou um intercâmbio, motivando os participantes a compartilhar episódios de suas vidas e a explorar a maneira como eles podem ser desenvolvidos em forma de história, poema ou peça. Dramaturga e performer, Clifford é autora de 90 peças de teatro, incluindo “O Evangelho Segundo Jesus Cristo, Rainha do Céu” e “Eve”, que teve duas apresentações no FIT-BH 2018.

“Do Repente”, do grupo tocantinense Lamira Artes Cênicas, fez sua segunda e terceira apresentações no mesmo dia. A primeira, pela manhã, aconteceu no CRAS Mariano de Abreu e a segunda, à noite, mobilizou um grande público para o Centro de Referência do Idoso, onde teve ótima recepção do público do bairro, que compareceu em peso e interagiu bastante. “Do Repente” faz sua última apresentação hoje, 23 de setembro, às 18h na Paróquia Cristo Luz dos Povos – Cabana Pai Tomás

O Teatro Marília recebeu “O Grito do Outro – O Grito Meu!” da Cia. Espaço Preto. O espetáculo teve ótimo público e foi bastante aplaudido ao final da apresentação. O interesse gerado pela peça incentivou muitas pessoas a ficar para o bate-papo que ocorreu na sequência. “O Grito do Outro – O Grito Meu!” faz hoje a sua última apresentação no teatro Marília às 21h.

A portuguesa “Libertação” (foto) concluiu a sua passagem pelo FIT-BH com mais uma potente apresentação no Teatro Raul Belém Machado. Partindo da Guerra do Ultramar, o episódio mais traumático da história recente portuguesa, o espetáculo abordou o processo de independência de colônias portuguesas na África e os crimes cometidos contra as populações locais.

O Parque Municipal Lagoa do Nado recebeu a esperada “Quaseilhas”, dos baianos do ÀRÀKÀ Plataforma de Criação em Arte. A apresentação, que pode ser compreendida também como uma experiência, trata dos vazios da memória afro-diaspórica. O movimento se dá a partir das memórias familiares do artista Diego Pinheiro e de sua vivência em Alagados de Itapagipe. Foram dez longos dias de montagem e preparação de um espetáculo visual e sonoramente impressionante, todo falado em yorubà. “Quaseilhas” se apresenta novamente hoje, 23/09, às 19h no mesmo local. As senhas podem começar a ser retiradas uma hora antes do início da apresentação.      

Ao lado do ponto de encontro, no Teatro Francisco Nunes, “Two Ladies” deu uma surra no tédio com uma apresentação vibrante, engraçada e épica. A jornada das protagonistas é dividida em 3 atos: “Two Ladies Golfers”, “Academia de Malvadas” e “Donas das Divinas Tetas”. Com concepção e direção coletiva, “Two Ladies” promete quebrar tudo mais uma vez hoje, às 17h, de novo no Chico Nunes.

O Ponto de Encontro teve um de seus dias mais movimentados. Muitas pessoas saíram da apresentação de “Two Ladies” e aproveitaram para participar do Aulão de Vogue “Dengue”. Mais tarde, a Academia TransLiterária apresentou a performance “TransRuba: Coroação da Nossa Senhora das Travestis – Uma Suruba Literária”

Este domingo é o último dia da décima-quarta edição do FIT-BH. Além dos espetáculos programados, haverá uma grande festa de encerramento no Ponto de Encontro com o Coletivo de Djeias, o show “Bomba de Glitter” com The pulso in chamas e a apresentação de MC Tha. O Espaço Sobre Vivências se despede com um bate-papo às 18h30, em que Michele Rolim, fala de seu livro “O que pensam os curadores de artes cênicas” (Ed. Cobogó).

A noite, sem dúvida alguma, promete!

Foto: Alexandre Guzanshe

7 visualizações