16/10 – 19h02 
KILOMBU MANZO - SHOW NGUNZO

“Ninguém é capaz de cuidar de nós melhor que nós mesmos”. É com essa certeza que o Kilombo Manzo traz para a Virada Cultural de Belo Horizonte 2021 o show NGUNZO, um encontro da produção musical negra do rap, música popular e eletrônica, com influência afro-mineira e das religiões de matriz africana. O show, inédito, é a reunião dos artistas Rodrigo Negão, Tamara Franklin, Melvin Santhana, Imane Rane, Laiza Lamara, Gui Ventura, Acauã Rane, Alexandre de Sena e Ana Martins. O trabalho nasceu de uma rede de fortalecimento e proteção ao Kilombu Manzo Ngunzo Kaiango. Laroyê!

16/10 – 20h34

ENVERSOS - ALONGA E DANÇA
“Enversos” é uma banda mineira formada por seis jovens integrantes, que tocam pop, neo soul e R&B de maneira autêntica e brasileira. Para a Virada Cultural 2021, a banda apresenta o show inédito “Alonga e Dança”, com músicas lançadas durante a pandemia, além de músicas inéditas para marcar o reencontro com o público, como um sopro de força e resistência. O show, dançante e cheio de energia, promete atravessar as telas e se fazer presente com a nova estética visual da banda e suas sonoridades.


16/10 – 21h26 
CHAMA O SÍNDICO - CHAMA O SÍNDICO CONVIDA MAYÍ, ANDREZZA DUARTE, AZZULLA, PAIGE, CLAUDIA MANZO, SOPRISTAS DO BABADAN, DI SOUZA E MATÉRIA PRIMA

Nos últimos anos, a cidade de Belo Horizonte (MG) tornou-se um dos principais palcos do carnaval de rua no Brasil e, desde 2012, o bloco “Chama o Síndico” leva para a festa a obra de dois grandes mestres da MPB – Tim Maia e Jorge Ben Jor. Para a Virada Cultural de Belo Horizonte, o show da trupe carnavalesca contou com oito convidados que representam diferentes gêneros musicais: as cantoras Mayí, Andrezza Duarte, Azzulla, Paige e Claudia Manzo; os sopristas do Babadan; o cantor Di Souza; e o rapper Matéria Prima.  

 

16/10 – 23h29 
CLARA X SOFIA - O POP DELAS

Desde 2017, o duo pop Clara x Sofia vem se destacando na cena musical de Belo Horizonte (MG) e mostrando a influência do pop europeu contemporâneo, da MPB, do funk e da bossa nova. Mas foi a partir de 2019, com o lançamento de suas primeiras músicas autorais, que elas conquistaram fãs por todo o país e até no exterior. No show “O pop delas”, a dupla traz músicas autorais e versões de algumas divas como forma de enaltecimento da essência feminina.

17/10 - 0h12
SENAC - APRENDA DRINKS VARIADOS COM O SENAC EM MINAS
 
O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial em Minas Gerais (Senac Minas) apresenta dicas e receitas para o preparo de drinks com o professor e coordenador de Alimentos e Bebidas da instituição Kleverthon Christian Mendes da Silva. O aluno do curso de Tecnologia em Gastronomia Eliezer Andrade também participa da atração.

17/10 – 0h49 
BLOCO FUNK YOU

Quando tocou no carnaval de Belo Horizonte (MG) em 2017, o Bloco Funk You partiu de uma premissa inovadora: tocar funk brasileiro. Com uma formação de percussão, teclado, baixo e guitarra, o bloco toca hits dos anos 1990 até os dias atuais de artistas como Claudinho & Buchecha, Furacão 2000, Anitta, Ludmilla, Dennis DJ, Kevin O’ Chris, entre outros. No quarto desfile, em 2020, uma multidão de 350 mil pessoas acompanhou o Funk You, consolidando o bloco como um dos mais expressivos da cidade, que tem hoje um dos três maiores carnavais do Brasil.

 

17/10 - 1h37
CENTRO CULTURAL - JARDIM GUANABARA

“Esse é o Centro Cultural Jardim Guanabara. Qual o seu Centro Cultural?” Com essa chamada, o vídeo apresenta o que o Centro Cultural Jardim Guanabara (CCJG) oferece à comunidade. Ele tem como objetivo fomentar a regional Norte de Belo Horizonte (MG) com um espaço para produção, difusão e preservação da cultura e do patrimônio comunitário. Instalado em uma área de 472 m², o espaço possui biblioteca, sala multiuso com capacidade para 100 pessoas, sala de oficina, hall de exposições, mini teatro de arena e um amplo estacionamento, que é utilizado para a realização de eventos. O CCJG conta também com acesso gratuito à internet para o público frequentador. Belo Horizonte conta com 17 centros culturais municipais nas nove regionais, com todas as atividades gratuitas.

17/10 – 1h40 
BAILE DA SERRA NAS QUEBRADAS 

“Qual a boa de hoje? Baile da Serra lotado!” Tendo origem nas formas de lazer de jovens do Aglomerado da Serra, em Belo Horizonte (MG), o Baile da Serra nas Quebradas é um baile funk fomentado por produtoras e produtores culturais e pela comunidade do Aglomerado. Tornou-se espaço de reflexão sobre a criminalização do funk e o direito de jovens de diferentes territórios favelados terem acesso ao lazer, à cultura e à arte, além de promover trabalho e renda. O Baile da Serra nas Quebradas, sob o comando do DJ Marcelo Mattos, convoca geral para mais uma edição da Virada Cultural.


17/10 – 4h52
VELUDO

“Veludo” é um coletivo de Belo Horizonte (MG) que traz para a 6ª edição da Virada Cultural uma sessão do alto da Serra da Moeda, um dos mais belos pontos turísticos próximos à capital. O grupo convida o espectador a passar o dia na exuberante paisagem desse patrimônio cultural brasileiro, com cinco live sets dos DJs Los Genaros, Shigara, TechBuddha, Garcías e Bruno Afterall.


17/10 – 8h52
MC ALAIR ABREU - RACIOCÍNIO CONSCIENTE

Nascido na cidade de Gouveia (MG), Alair Paulino Abreu, conhecido anteriormente como MC Libra, iniciou sua atuação no rap em Belo Horizonte na década de 1990. MC Alair Abreu, nome que passou a assinar em 2019, quando inicia sua carreira solo, propõe o que classifica como “rap consciente cristão”. O rapper leva o nome Raciocínio Consciente em seus eventos e movimentos culturais. Atualmente, MC Alair Abreu trabalha em seu primeiro álbum solo, denominado “Missão Resgate”, com lançamento previsto para este ano.

 

17/10 – 9h59 
BRUNO LIBERATO E BANDA - MÚSICA POP CRISTÃ AO VIVO

Nesta edição da Virada Cultural, o cantor de pop gospel Bruno Liberato apresenta seu show “Música Pop Cristã ao vivo”, com vários momentos de improviso e criações instrumentais. Ele iniciou sua carreira em 2000 lançando seu primeiro álbum, “Imensurável”, seguido pelo segundo, “Completamente livre”, e, por fim, “Remanescentes”. 

17/10 – 10h54 
BLOCO MAGNÓLIA - MAGNÓLIA BRASS BAND

O show “Magnólia Brass Band” apresenta ao público a nova formação do bloco de carnaval Magnólia e como ele utiliza a estética do jazz na musicalidade e corporeidade dos cortejos tradicionais de Nova Orleans, nos Estados Unidos. O repertório é recheado de referências do jazz nas formações Brass Band e de arranjos e referências afro-brasileiras, como o cantor Marku Ribas. O Magnólia traz ao público sua primeira música autoral, “Shake The Magnólia”, composta por Lucas Nascimento.


17/10 – 12h14 
FERNANDO BENTO - VIRADA DO SAMBA

O cavaquinista, compositor e intérprete Fernando Bento se apresenta na Virada do Samba Autoral, festival que integra a Virada Cultural de Belo Horizonte 2021, com a força da interpretação que o colocou como um dos principais nomes do samba mineiro. Devoto de São Jorge, Bento herdou da família o dom da música. Neto de Arlindo Cachimbo, cresceu ao som do cavaquinho. Natural de Belo Horizonte, mas criado em Santa Luzia, na região metropolitana de BH, iniciou sua carreira profissional aos 18 anos e acaba de gravar o disco de estreia para comemorar as duas décadas de carreira.


17/10 – 12h54 
FABINHO DO TERREIRO - VIRADA DO SAMBA

Chegando aos 60 anos de idade, Fábio Lúcio Maciel, ou Fabinho do Terreiro, coleciona admiradores desde os tempos do Curral do Samba, no Bairro São Paulo, em Belo Horizonte. Com sambas registrados por Zeca Pagodinho, Neguinho da Beija-Flor, Agepê, Gracia do Salgueiro, Nelson Rufino e outras parcerias, o artista traz composições consagradas como “Tiro Lateral”. Ele participa da primeira edição da Virada do Samba Autoral, festival que integra a Virada Cultural de Belo Horizonte 2021. 

17/10 – 13h32 
ZÉ DA GUIOMAR - VIRADA DO SAMBA

Formado por Márcio Souza (vocal e violão), Valdênio Martinho (cavaquinho), Renato Carvalho (sax) e Totove Ladeira (percussão), e tendo como músicos convidados o trombonista Marcos Flávio e os percussionistas Alexandre Batista e Rodrigo Martins, o grupo “Zé da Guiomar” já passa de duas décadas de carreira. Com um instrumental eficiente, arranjos criativos e um repertório que mescla temas próprios e clássicos de várias épocas e tendências, o grupo tem quatro discos gravados e participa da primeira edição da Virada do Samba Autoral, festival que integra a Virada Cultural de Belo Horizonte 2021.


17/10 – 14h07 
ARTUR PÁDUA - VIRADA DO SAMBA

Prestes a lançar o segundo álbum da carreira, Artur Pádua se apresenta na Virada do Samba Autoral, festival que faz parte da programação da Virada Cultural de Belo Horizonte 2021. O cantor mineiro, aos 28 anos, é presença cativa nas rodas de choro da capital e carrega extensa bagagem musical como violonista. Acompanhou grandes nomes da música brasileira como Cristovão Bastos, Hamilton de Holanda, Roberto Silva, Zé da Velha, Silvério Pontes e Monarco. Para sua apresentação na Virada Cultural, Artur convida Gustavo Monteiro que acaba de lançar “Gênesis”, seu primeiro trabalho autoral. 

 

17/10 -    14h48 
GISELLE COUTO - VIRADA DO SAMBA

Giselle Couto graduou-se em música pela Universidade Federal de Ouro Preto. Porém, muito antes disso, já soltava a voz nos palcos e bares mineiros. Sua carreira no samba começou em 2002, com o grupo “Samba na Ladeira”, em Ouro Preto. Em 2013, foi uma das residentes do “Samba da Madrugada”, em Belo Horizonte. Atualmente, mantém trabalhos com o grupo de samba e choro Flor de Abacate, integra o projeto de samba autoral mineiro “Samba da Criação” e o bloco “Bebadosamba”, uma homenagem de carnaval ao Paulinho da Viola. No palco da Virada do Samba Autoral, festival que integra a Virada Cultural de Belo Horizonte 2021, Giselle recebeu Dudu Nicácio. 

 

17/10 – 15h25 
GRUPO TRADIÇÃO - VIRADA DO SAMBA

Criado entre uma roda de samba e os intervalos do futebol, no bairro Jardim Montanhês, região Noroeste de Belo Horizonte, o “Grupo Tradição” está nos palcos desde o início da década de 1990. Para a Virada do Samba Autoral, festival que integra a programação da Virada Cultural de Belo Horizonte 2021, o grupo apresenta boa parte do repertório registrado em seu primeiro disco. Pirulito da Vila é o convidado para esse show.

 

17/10 - 16h05
JÚLIA ROCHA - VIRADA DO SAMBA

Júlia Rocha é uma mulher multifacetada. Cantora, compositora, colunista do UOL, escritora e médica da família, ela lançou seu disco “Cheiro de Flor”, em 2017. A artista traduz, nas músicas que compõem o seu repertório, os seus sentimentos como mulher em relação a temas cotidianos como o amor, a luta diária pelo sustento, a traição, a incerteza do amanhã, a filha, a paixão pelo samba. Tudo isso ela traz para a 6ª edição da Virada Cultural de Belo Horizonte, como parte do festival Virada do Samba Autoral.

17/10 – 16h40 
MATHEUS BRANT - VIRADA DO SAMBA

À frente do bloco “Me Beija Que Eu Sou Pagodeiro”, um dos maiores do carnaval da capital mineira, Matheus Brant leva para o palco da Virada do Samba Autoral composições do disco “Cola Comigo”, um projeto dedicado ao pagode. O festival integra a programação da 6ª edição da Virada Cultural de Belo Horizonte.
Matheus Brant, além de músico e compositor, é também advogado e escritor. A facilidade com que transita por temáticas e personagens em suas composições é fruto da sua personalidade criativa e de uma caneta versátil. Um dos parceiros recorrentes de Brant é Lucas Fainblat, que participa do show trazendo toda a sua irreverência e composições afiadas. 


17/10 – 17h18 
MANU DIAS - VIRADA DO SAMBA

Manu Dias é cantora e compositora, nascida em Ouro Preto, e se especializou no samba. Começou a carreira cedo, ao lado de seu pai, o músico Toninho Batista. Algumas de suas composições podem ser conferidas na participação da cantora na Virada do Samba Autoral, festival que faz parte da programação da Virada Cultural de Belo Horizonte 2021. Na ocasião, Manu recebe Cacá Monclair, que representa a diversidade entre os sambistas mineiros. Cacá é reconhecido pela devoção às cantoras Clara Nunes e Maria Bethânia, as quais interpreta com grande força e emoção.


17/10 - 17h52 
CENTRO CULTURAL - LIBERALINO ALVES DE OLIVEIRA

“Esse é o Centro Cultural Liberalino Alves de Oliveira. Qual o seu Centro Cultural?” Com essa chamada, o vídeo apresenta o que o Centro Cultural Liberalino Alves de Oliveira (CCLAO) oferece à comunidade. Ele tem como objetivo democratizar o acesso à cultura, aos bens culturais e à informação. A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Fundação Municipal de Cultura, reabre na Regional Noroeste este espaço que é dedicado aos moradores, uma região rica em manifestações culturais de todas as vertentes, o que permite a implementação de políticas públicas na área do patrimônio cultural, além de se colocar como um dos instrumentos mais democráticos de criação, difusão e circulação de bens culturais. Belo Horizonte conta com 17 centros culturais municipais nas nove regionais, com todas as atividades gratuitas.


17/10 – 17h53
MARINA GOMES - VIRADA DO SAMBA

Marina Gomes passeia pelo universo do samba brasileiro, seja samba de quadra, partido alto ou samba-canção. A cantora, compositora e instrumentista de Divinópolis, residente na capital mineira há 20 anos, está prestes a lançar o segundo álbum, “Central do Amor”. Na Virada do Samba Autoral, festival que integra a programação da Virada Cultural de Belo Horizonte 2021, Marina recebe Carolina Serdeira e Gustavo Maguá.


17/10 – 18h33 
CINARA RIBEIRO - VIRADA DO SAMBA

Cantora e compositora, a mineira Cinara Ribeiro é considerada uma importante representante da nova geração de sambistas. Em suas parcerias, estão Fabinho do Terreiro, Seu Domingos, Serginho Beagá, Thiago Delegado, Murilo Antunes, Mário da Viola, Arthur de Carvalho, entre outros. Na primeira edição da Virada do Samba Autoral, Cinara convida Tavinho Leoni. O festival faz parte da Virada Cultural de Belo Horizonte 2021.

 

17/10 – 19h26
DONA ELIZA - VIRADA DO SAMBA

É do samba que vem toda a energia de Dona Eliza, compositora e intérprete da Velha Guarda do Samba de Belo Horizonte. Uma das poucas representantes femininas do movimento, Dona Eliza tem mais de 700 canções. Em 2017, lançou o primeiro CD, “Diploma da Vida”, obra que marcou seus 50 anos de carreira. Seu show na Virada Cultural de Belo Horizonte 2021 integra o também festival Virada do Samba Autoral.

chancela_completa_site_DESKTOp.png